• Juliana Abdala
  • Sem categoria
  • Nenhum comentário

Conto erótico Intt
By J.O. Brook e L.B. Brook
Vulcano: O descobrir de sensações
Paula era uma mulher solitária, vivia no seu mundo de livros e palavras, o seu dia poderia resumir-se em poucas linhas, levantava-se cedo, pegava um ônibus lotado, ouvia música nos fones ligados ao seu celular, carregava o seu livro, trabalhava o dia todo e voltava para casa, era uma vida solitária e monótona para qualquer simples mortal, para ela era perfeita.
Depois de inúmeras relações amorosas frustradas tinha se fechado para o mundo do relacionamento, o seu último romance descobrira pouco tempo depois de ficar noiva que o sujeito era casado e tinha filhos em outra cidade, durante meses chorou amargamente com uma dor no coração e por se sentir tão burra, nenhum homem era perfeito como ele e mesmo com todos os sinais de alerta que alguma coisa estava errada, Paula acreditou num amor idêntico aos romances que era fã e que devorava.
Quando fechou a porta de casa naquela noite, estava ansiosa para começar a ler o novo romance hot que tinha comprado, depois de noites a sonhar com Mr. Grey dos “50 tons”, agora tinha um novo amor, Frederico um executivo que adorava dominar e que tinha as mulheres aos seus pés, uma amiga tinha indicado o livro como “Um ótimo momento de leitura acompanhado de uma masturbação prazerosa” aquelas palavras tinham despertado o interesse nas quase trezentas páginas, claro que quando comprou não resistiu em abrir o livro e na página que caiu Paula podia ler “quando a língua quente de Frederico percorria a minha vagina acompanhada de mordidas que me faziam gemer como num tom de prece era “Me Fode!””, rapidamente fechou o livro e comprou tendo certeza que o seu rosto denunciava aquela leitura.
Chegando a casa tarde da noite como sempre acontecia, tomou um banho rápido, colocou qualquer coisa no estomago para disfarçar a fome e se jogou em cima da cama pronta para começar aquele leitura, a capa um homem seminu tirava um vestido de uma garota, já se sentiu atraída e se imaginou no lugar daquela mulher, na primeira página a história já começou a ficar excitante com a descrição de sexo entre Frederico e uma das suas submissas, quando ela leu que o personagem colocava o seu membro duro com violência enquanto puxava os cabelos da sua acompanhante, Paula tentou-se imaginar naquela cena e desejou explorar um sexo selvagem e submisso como aquele que era descrito nas páginas do livro, rapidamente as primeiras trinta páginas já tinham sido devoradas com a mesma rapidez com que Frederico transava com as moças do seu livro.
Num momento sentiu uma enorme vontade de ir no banheiro e correu porque tinha aguentado a sua vontade o mais que conseguiu, não queria perder aquele momento em que o executivo encontrava a mocinha da história e ambos tinham aceite fazer uma transa selvagem, sentou-se e sentiu um alivio soltando tudo aquilo que tinha segurando por tanto tempo, quando foi para se limpar não tinha papel e abriu a porta do gabinete por baixo do lavatório, sem ver puxou o rolo e um barulho seguiu como se algo caísse, olhou para o chão e uma embalagem laranja e preta chamou a sua atenção, as letras chamavam a sua atenção VULCANO, lembrou-se que tinha ganho aquilo no seu noivado de uma colega de trabalho e nunca tinha usado, quando recebeu o presente a colega segredou ao ouvido “Depois deste produto o sexo nunca mais vai ser igual” e agora ali estava aquela embalagem olhando para ela e algo a atraia para que experimentasse, limpou-se e lembrou-se de Frederico transando como um animal selvagem com a mocinha, Paula no ato de coragem abriu a embalagem e viu um spray, sem pensar muito levou na direção da vagina dela e clicou umas três vezes sentiu o produto deslizar na sua pele e um cheiro adocicado que já a deixou excitada, vestiu as calcinhas e correu para os “braços de Frederico”.
Jogou-se na cama e abriu o livro onde podia ler “Os beijos de Frederico eram quentes e doces como um chocolate recheado de pimenta” quando leu aquelas palavras começou a sentir uma leve sensação de aquecimento na sua vagina, clitóris, lábios vaginais e lembrou-se do produto que tinha aplicado, “a sua língua me invadia intensamente e eu desejava aquele homem poderoso, sensual e másculo dentro de mim, comecei a ferver com a necessidade de ser possuída, sentia-me a pegar fogo” Paula percebeu-se que a sua vagina estava exatamente naquele estado um fogo prazeroso deixava-a cada vez mais excitada, a sua respiração começou a ganhar outro som mediante o que sentia, não aguentou e o seu dedo começou a deslizar na sua vagina a cada movimento era como se tudo estivesse mais sensível ao toque, seu dedo tinha a sensação de uma brasa de prazer que ao deslizar causava ondas de prazer, “sentia meu coração a pulsar assim como a minha “bruxinha” desejando aquela homem dentro de mim, quando ele me abriu as pernas e mordeu intensamente a minha “bruxinha” desejei gemer de prazer eram como se o meu coração pulsasse dentro dela acompanhado com as mordidas dele”.
Paula pensou como será isso de pulsar? E inacreditavelmente a sua vagina começou a pulsar intensamente acompanhada da sensação de calor, aquele pulsar era como um eterno prazer de alguém mordendo a sua vagina assim como Frederico mordia a “bruxinha” da personagem, sem aguentar mais pousou o livro de lado e fechou os olhos porque o toque do seu dedo tornou-se tão prazeroso e em seguida um misto de sensações invadiu a sua região intima, além do calor, da excitação e do pulsar, parecia que toda a sua vagina vibrava a cada deslizar do seu dedo e numa ousadia enfiou o seu dedo dentro dela acompanhado de produto, fez com que ela gemesse tão alto e se sentiu a ser possuída pelo personagem da história, agora naquele momento de vai e volta do dedo era como se tudo ficasse mais intenso, a sensação prazerosa de aquecimento, o pulsar como o seu coração, o vibrar como se o seu dedo ganhasse vida e uma sensação de excitação única, o orgasmo foi intenso e sonoro naquele quarto, pela primeira vez tinha sentido algo diferente, aquele produto de nome VULCANO fazia maravilhas numa mulher imaginou o membro de Frederico entrando nela acompanhado daquelas sensações todas, queria um homem daqueles do seu lado para descobrir que mais aquele frasquinho com liquido amarelado poderia ser capaz de fazer, adormeceu feliz pelo que tinha sentido e com o prazer que tinha descoberto perdido no seu banheiro.
No dia seguinte levantou-se cedo porque era dia de uma reunião especial no seu serviço, colocou o livro dentro da bolsa e correu apressadamente para o serviço, como sempre o trânsito de São Paulo era infernal e ela já estava atrasada, quando conseguiu entrar no prédio olhou para o relógio e viu o quanto estava atrasada, junto das cancelas que davam acesso ao elevador puxou o seu crachá e juntamente veio o livro que caiu no chão, Paula virou-se para apanhar e a capa sensual estava voltada para cima juntos de uns sapatos masculinos, se abaixou rapidamente para pegar o livro, mas o homem foi mais rápido e pegou o livro, no seu rosto surgiu um sorriso malicioso ao ler o título do romance:

Bom livro! – Brincou o homem com uma voz sensual e rouca.
Quando Paula olhou no rosto levou um choque, diante dela estava um homem exatamente idêntico com as caraterísticas de Frederico, o personagem do livro, acabou deixando o seu pensamento ganhar som e falou:

VULCANO, é magico e faz o sonho virar homem!
O homem olhou para ela e o que tinha acabado de ouvir, sorriu e estendeu a mão:

Frederico Salvatore, o novo executivo da empresa!
Quando Paula ouviu aquilo percebeu que estava diante do seu novo chefe e o homem piscou o olho e sussurrou:

Temos de discutir esse livro mais tarde, já agora quem é Vulcano? Não existe ninguém com esse nome na história!
Paula mordeu o lábio sorrindo com o que tinha acabado de acontecer, aquele homem conhecia o livro, tinha o mesmo nome do personagem, era idêntico em tudo ao personagem do livro, mas não conhecia o Vulcano? Sem problemas Paula ia apresentar os dois em breve

https://loja.abdalacosmeticos.com.br/cosmeticos/excitante/vulcano-excitante-unissex-17ml-intt/

Author: Juliana Abdala

Deixe uma resposta